terça-feira, 3 de novembro de 2015

O PODER DAS METÁFORAS

Hoje vou lhes contar porque tantas vezes eu utilizo histórias para me comunicar com meus leitores. Pode parecer que são apenas histórias com um fundo moral bacana pra gente refletir sobre determinado assunto. Mas quero que saibam que representam muito, muito além disso!

Há alguns anos, estudando programação neurolinguística, eu aprendi, e vivenciei pessoalmente, o quanto as metáforas, também chamadas de parábolas, são poderosas e transformadoras.

Por meio de histórias, como bem sabia o próprio Cristo, nossas mentes assimilam lições mais facilmente, espontaneamente, e mesmo sem perceber. Isso acorre porque, ao ouvir histórias que não nos competem diretamente, relaxamos desarmando-nos de medos ou ideias pré-concebidas, deixando a mensagem fluir diretamente para o subconsciente.

Em seu livro “Treinando com PNL”, Joseph O’Connor nos conta como uma metáfora pôde ser útil numa situação cotidiana ajudando uma pessoa em questão de segundos. Ele narra que, certa vez, se encontrava numa loja de conveniências escolhendo revistas, quando começou a escutar uma senhora que falava em tom dramático com o vendedor. Ela descrevia, muito nervosa e exaltada, um assalto que havia sofrido e o quanto havia ficado traumatizada com a experiência.

Joseph se aproximou e, interrompendo a senhora, contou o caso de uma amiga:

“Sabem, minha amiga havia sido surrada dentro de sua própria casa e não conseguia tirar o incidente da cabeça, falando de seu sofrimento a todos que encontrava. Então, algumas semanas depois, ao perceber o que vinha fazendo, disse: Levar uma surra já é bastante ruim, mas raios me partam se eu vou lhes dar a satisfação de arruinar minha vida por isso. E, a partir dali, ela decidiu tirar o caso da mente e esquecê-lo completamente… Pode me dar um exemplar desta revista, por favor?”

O autor conta que a senhora calou-se, ficou com o olhar um pouco perdido, o seu estado mudou e ela saiu da loja calmamente.

Então, ele já ia saindo com sua revista quando outro cliente da loja, que observava a tudo, sorriu e lhe disse: Bom trabalho!

E você? Bora criar histórias com final feliz pra mudar situações ruins que a gente encontra no dia a dia? Como? Você acha que não tem essa habilidade?

A propósito, lembrei-me da história de José. Um menino que nasceu com um problema nas pernas que o fazia caminhar com dificuldades. Seus amigos na escola corriam pra todos os lados e ele tristemente não conseguia acompanhá-los. Certo dia foi admitido um novo aluno na escola. Este sim tinha sérios problemas para andar. Ele mal conseguia chegar até a cantina na hora do lanche. Observando aquela situação ainda mais penosa que a dele, José compadeceu-se do novo aluno e começou a acompanhá-lo, caminhando pela escola ao seu lado todos os dias. Ele o estimulava a segui-lo mais rapidamente, fazendo brincadeiras, até o dia em que, sem perceberem, estavam correndo ao redor da grande figueira do pátio da escola. E sabe o que mais? Logo ninguém mais os alcançava no pega-pega. Soube-se depois que ambos sofriam de um tipo de atrofia muscular, em que a cura consistia exatamente em colocarem-se em constante movimento para desenvolverem a habilidade de correr.

Prontos agora? Então vamos lá! Era uma vez…

-Inês Coelho

Fonte: http://www.professoresdosucesso.com.br/o-poder-das-metaforas.html